VicenTeatro

VicenTeatro em Cena fora de Cena Personagens Calendário Contactos

Ultimas...


5 de Outubro

Espectáculo comemorativo do centenário da republica


O Fogo é Nosso Amigo?

Espectáculo infantil


ATENÇÃO

Auto da Barca do Inferno

NOVA ENCENAÇÃO!


Quero receber o calendário dos espectáculos dirigidos às escolas



Em 2010, ano em que se comemora os 150 anos de relações diplomáticas entre Portugal e Japão, com assinatura do Tratado de Paz, Amizade e Comércio e o 500ºaniversário do nascimento de Fernão Mendes Pinto o VicenTeatro quer juntar-se a estes festejos com a sua próxima produção: TANIXUMÁ (Tanegashima).
Tanixumá surge a partir dos capítulos 132 a 137 da Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, onde relata a sua chegada ao Japão, na companhia de dois compatriotas.

A curiosidade deste povo em relação à espingarda, arma desconhecida naquelas paragens. A forma como Diogo Zeimoto, oferece a sua arma ao Nautoquim, senhor daquela terra, e como o ensina a fazer pólvora, são marcos do fascínio pela inovação. Os aspectos da aprendizagem laboratorial que nos sugere o fabrico da pólvora têm eco nas práticas medicinais da época, a cura da gota ao Rei do Bungo, com o liquido extraído de um pau que trazia no seu junco, e ao tratar os ferimentos de um príncipe que inadvertidamente usou a espingarda.

De notar também toda a curiosidade destes povos em relação aos que voavam por cima das aguas e que vinham do cabo do mundo.
Esta experiência mostrou-se fundamental para o Japão. Por um lado a pólvora, o seu fabrico e as diversas aplicações. Por outro a espingarda, ferramenta de caça e guerra, que os japões aprenderam a reproduzir e que em menos de 14 anos já havia naquela terra para cima de 600.000 exemplares.

Espingarda em madeira de nogueira e prata, réplica da espingarda introduzida pelos Portugueses no Japão em 1543

O que eles disseram de nós:

"Estes homens bárbaros do sudeste são comerciantes. Compreendem até certo ponto a distinção entre superior e inferior, mas não sei se existe entre eles um sistema próprio de etiqueta. Bebem em copo sem o oferecerem aos outros; comem com os dedos, e não com pauzinhos como nós. Mostram os seus sentimentos sem nenhum rebuço. Não compreendem os caracteres escritos. São gente sem morada certa, que troca as coisas que possuem pelas que não têm, mas no fundo são gente que não faz mal".

in "Teppo-ki"

Saiba mais em:

http://armandomartinsjaneira.net/downloads/Armando_Martins_Janeiro-Figuras_de_Silencio-excertos.pdf

http://www.culturajaponesa.com.br/htm/quandoportugueses.html

http://hajovelho.blogspot.com/2007/11/tanegashima-festival-da-espingarda.html

http://0rient0cidental.wordpress.com/

http://www.youtube.com/watch?v=g44VOfBZFVI&NR=1

http://www.youtube.com/watch?v=ZT8IhOmQEOI&NR=1

http://www.youtube.com/watch?v=KGe6F6vaK50&feature=related

Este espectáculo tem o patrocinio de:

REN

e o apoio de:

RTP - A Barraca

 


5 de Outubro

D. Roberto, à frente de um grande elenco, apresenta o fantástico, inigualável, nunca visto, mas já tradicional espectáculo, “5 de OUTUBRO”.
5 de OUTUBRO” vai levar até junto do povo os últimos acontecimentos do reino.Perdão, da república.

Dirigido aos mais novos, este trabalho conta de forma divertida, os factos mais importantes que deram origem aos acontecimentos do dia “5 de OUTUBRO” de 1910 e as suas consequências.
Para além da informação histórica, esta tradicional forma de expressão cultural e de comunicação, pretende trazer para as salas de aula ou bibliotecas, a já quase esquecida Barraca de Robertos, tão popular à época, e que habitavapelas ruas e feiras, permitindo a continuidade do nosso património cultural imaterial.

A trupe de saltimbancos é formada por dois bonecreiros que trajam e falam de acordo com o inicio do século XX. Montam uma barraca de forma quase instantânea, enquanto apresentam o grande momento que irá acontecer dentro de muito pouco tempo. No fim, Manuel de Arriaga que assiste misturado com o publico, saúda os manipuladores e apresenta-se dando inicio a uma pequena conversa.

 

 


 

Sim, è verdade. O fogo é nosso amigo. Sem ele não conseguiríamos cozinhar, passávamos frio, os cavalos não teriam ferraduras e não haveria copos de vidro. O problema é quando brincamos com ele ou não lhe damos a devida importância.

Espectáculo infantil disponível para digressão

 

Antes de ver o video, clique aqui para desligar o

Rão Kyao, "Saudando o Sol"


Auto da Barca do Inferno

de Mestre Gil Vicente

ATENÇÃO!!!! Nova encenação!!!!!!

 


Corvo

Twitter.com Ver imagem em tamanho real


free counters

desde 1 de Setembro de 2009

 

 

 

VicenTeatro - Tel: 351- 96 863 24 02 - Fax: 351-21 342 90 02 -

Correio electrónico: vicenteatro@vicenteatro.com


Reservas e outras informações: 96.863.24.02


Proximos espectáculos

 

OEIRAS

Fabrica da Polvora

O Fogo é Nosso Amigo?